08 março 2017

Sobre ser MULHER! - Por Carol Estrella


“Queria ter nascido homem!”


Acredito que quase todas as mulheres já pensaram em como suas vidas seriam se tivessem nascido homem. Será que é mais fácil ser homem? É melhor? As oportunidades seriam maiores?

Quando eu era mais jovem pensei que se tivesse nascido homem não precisaria me preocupar com a roupa que uso e poderia ficar sem camisa em dias extremamente quentes.
Ah, como eu queria deixar meus peitos sacudirem ao ar livre no verão carioca, ou então nadar sem ter que me preocupar em ajeitar o meu biquíni. Hoje as confecções já estão fazendo biquínis mais confortáveis, mas antigamente não era assim.

Já pensei também que seria bem mais fácil para os meus hormônios se eu tivesse nascido homem já que eu poderia paquerar e ficar com quem eu quisesse sem ser taxada de piranha ou safada. Hoje eu não ligo tanto para isso, mas na adolescência isso era um problema muito grande.
Não posso esquecer de jeito nenhum que seria ótimo ser homem só para ter o prazer de andar na rua livremente sem receber cantadas nojentas ou apalpadas sem permissão. Isso sem falar nas festas de axé que eu tanto quis ir, mas não fui por que tinha pavor de ser agarrada a força. As micaretas eram famosas por isso. Deus me livre beijar bocas indesejadas a força. Prefiro ficar em casa e ouvir axé no rádio.



Por muito tempo eu pensei que seria bem melhor ter nascido homem, mas com o avanço das novas tecnologias e das mídias sociais, eu finalmente tive contato com o universo feminino e com um grupo enorme de mulheres empoderadas que sentem orgulho do seu sexo.

Foi lendo relatos de assédios nas campanhas no facebook e assistindo canais de Youtubers como Jout Jout, Tá, querida, Lili Prata e Nunca te pedi nada que eu percebi que ser mulher é a maravilhoso e que eu não preciso me esconder do mundo e sim lutar pelos meus direitos e lugar ao sol. Eu tenho capacidade de conquistar um bom emprego tanto quanto um homem. Eu posso usar as minhas roupas à vontade sem ter vergonha, mas devo ter em mente que a sociedade ainda é preconceituosa e eu não tenho como mudar isso de uma hora para outra.

Posso me engajar em projetos, ajudar a educar a sociedade mais jovem, falar sobre o feminismo saudável, valorizar as mulheres, mas não posso me esquecer que o machismo existe há séculos e que eu também tenho pensamentos machistas. Sim! Eu fui criada deste jeito e não tenho como negar questões tão entranhadas dentro de mim. O que eu posso fazer é tentar mudar assistindo vídeos, ouvindo opiniões, casos, conversar com amigos e pensar bastante.



Os livros também me ajudaram bastante nesta aceitação feminina. As pessoas falam dos livros eróticos com escárnio, mas mal sabem elas que estes livros são muito importantes para o empoderamento feminino.

(Eu falo dos eróticos que valorizam as mulheres. Aqueles que o homem é agressivo, mas é rico e poderoso, então tudo bem. Não entram na minha lista.) 


Foi com estes livros que eu descobri que as mulheres, pasmem, podem e devem sentir prazer. Foi em grupos de mulheres no Whatsapp que eu vi o quanto a mulherada sofre com questões sexuais no casamento e o quanto masturbação ainda é um tabu na sociedade.

Quando eu falei para algumas amigas que estava fazendo uma coleção de vibradores, elas me olharam torto e disseram que eu sou muito moderna. Não, gente! Eu sou mulher! Eu quero sentir prazer também, poxa! Masturbação feminina é recomendada por ginecologistas e até por psiquiatras. O filme Histeria lançado em 2011 é um ótimo exemplo de como a masturbação é essencial para a mulher. No século XIX um jovem médico inventou uma máquina para massagear a região pélvica da mulher por que acreditava que isto curava as doenças dos nervos femininos. Recomendo muito este filme!

Para terminar gostaria que todas as minhas leitoras refletissem sobre “ ser mulher”.

Permita-se e entregue-se a vida.




Para os homens gostaria de dizer que vocês também são muito importantes para nós e eu sei que existem muitos “machos” carinhosos que tratam muito bem as mulheres.

Um beijo e um sorriso para todos,

Carol Estrella


3 comentários

  1. Machos carinhosos! kkkkkkkkkkkkkkkkk Ótimo texto, Carol, parabéns, menina empoderada!!!! Arrasou!!! Olha, a gente pode TUDO! Inclusive ter prazer, sim! Também estou fazendo uma coleção de vibradores hahahahahahahaahhahaha O próximo da lista é com ventosa! Porque sim!!!! Eu sou superfeminista e nunca pensei que seria melhor ser homem. Engraçado isso, né. Sempre gostei de ser mulher e olha que fui criada em um ambiente bem machista, por pais religiosos. Mas eu fui crescendo, amadurecendo, vendo o mundo e criando minhas próprias opiniões a respeito de tudo. Foi libertador assumir meus pensamentos modernos, sim, feministas, sim, empoderar-me, sim! Eu me tornei uma pessoa muito mais feliz quando parei de me importar com o que os outros acham sobre como eu devo viver. Eu vivo como eu quiser! E viva a liberdade!!!! Beijos no coração.
    PS: Obrigada por me citar como autora empoderada. Tenho o maior orgulho do mundo!!!

    ResponderExcluir
  2. Cá, sua linda, fico muito feliz em saber que você pensou em mim ao escrever esse texto. A desconstrução que você exerce dia-a-dia ficou evidente em cada parágrafo. Que maravilha poder se sentir livre, forte e capaz! O empoderamento é isso: dar poder à mulher. E quando o fazemos com sororidade, fica mais gostoso ainda. Beijão enorme para você. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei porque meu nome não apareceu aí ao lado do comentário, mas aviso de antemão: sou a Fê Chazan Briones. HAHAHAHA

      Excluir

© AUTORA CAROL ESTRELLA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por