20 março 2017

Por que as grandes editoras brasileiras não disponibilizam seus lançamentos no Kindle Unlimited?




Sou apaixonada por livros e recentemente me rendi ao plano de assinatura da Amazon em que pago 19,90 por mês e posso ler quantos livros quiser da lista disponível no site. Com a condição de “pegar emprestado” dez livros por vez. Seria como um aluguel de livros com tempo indeterminado para ler, porém eu não posso adicionar todos os livros do site na minha lista pessoal. Eu tenho uma meta de que se em 3 meses eu não ler os dez livros que peguei emprestado, libero espaço para outros, ou então quando quero muito ler um determinado livro e já estou com a lista completa, compro o e-book ou devolvo um título que está no fundo das minhas preferências.



Tendo esta ideia em mente, neste final de semana fiquei refletindo sobre os lançamentos das editoras e sobre como eu gostaria de ler vários títulos novos através da minha assinatura. Para quem não sabe, a cada página lida neste sistema o autor/editora ganha um valor X. Se o livro “bombar” e muitas pessoas lerem a história, o autor/editora ganhará muitooooos X. É claro que o foco principal hoje em dia ainda é vender os livros da forma tradicional, porém por que não experimentar outros tipos de venda?

A editora coloca o e-book a venda e o leitor compra e pronto, mas por que não oferecer a oportunidade do leitor alugar este livro?

A maioria dos autores nacionais e até algumas editoras do Brasil já estão disponibilizando alguns livros através do Kindle Unlimited e isso é fantástico. Só que a maioria das editoras insistem em colocar o preço dos e-books nas alturas e não liberam os seus lançamentos nesta plataforma e nem mesmo livros mais antigos.

Livros com mais de quatro anos de lançados estão com o mesmo preço de venda inicial ou então até mais caros. Por que não disponibilizar estes títulos kindle ou então diminuir o preço dos e-books? O livro está parado no estoque, gente!

O que custa movimentar um pouco o mercado e fazer com que os leitores se interessem por livros mais “antigos”?


Poderiam até esperar uns 15 dias de lançado para disponibilizar o livro por aluguel ou então diminuir um pouco o preço do e-book que hoje em dia ainda está bem parecido com o da versão impressa.

Por outro lado, tem alguns dias que estou reparando na movimentação de marketing constante de algumas editoras com a Amazon para oferecer descontos em seus livros. Em uma semana oferecem promoções de e-books, na outra nos livros impressos e assim vão chamando a atenção do consumidor. Eu gosto muito do marketing da editora Intrínseca e preciso elogiar a forma como eles falam dos livros nas redes sociais.


Eles criaram vários programas no Snapchat para falar de todos os seus livros, além  promoverem encontros com blogueiros e recentemente postam promoções constantes na Amazon. Eles estão observando o mercado muito bem e direcionando o marketing para um público que está se acostumando a ler em e-book. Eu, por exemplo, tenho muitos e-books no meu kindle e quase todos os dias compro um novo. Sou rica? Não! Eu só fico de olho nas oportunidades e nas promoções. Não compro e-books por mais de 12 reais. Costumo comprar muitos e-books de graça, mas também não hesito quando um lançamento que eu quero muito está por R$:9,90.


Foi o caso do livro “O perfume da folha de chá”. Eu estava louca para ler este livro desde que vi a divulgação da editora Companhia das Letras no meu Facebook. Só que por falta de dinheiro para comprar o exemplar impresso e como estava lendo muitos e-books no momento, resolvi colocar a versão online do livro na minha lista de desejados da Amazon e esperar por um desconto.
Um belo dia eles me avisaram que a editora estava fazendo uma grande promoção e o livro estava por 9,90. Um lançamento muito interessante e com uma capa maravilhosa estava com um preço incrível. Fiquei com receio de comprar por que queria muito um exemplar impresso, mas comprei e li em dois dias!

Recomendei o livro para toda a minha família, amigos, conhecidos e até para a galera da academia. Isso sem falar nas minhas redes sociais. Uns dias depois a Saraiva fez uma grande promoção de dia das mulheres e adivinhem?! Eu comprei a versão impressa para presentear a minha mãe e para ter o prazer de iluminar a minha estante com um livro tão lindo!

Sendo assim, acredito que as editoras poderiam arriscar mais e experimentar novas formas de vendas, divulgação e até mesmo em aluguéis de livros.

Só para terminar preciso comentar que aluguei o livro A amiga genial da Elena Ferrante disponível no Kindle Unlimited outro dia e fiquei muito feliz de ver um título tão famoso nesta plataforma. Mais uma vez a editora intrínseca me surpreendeu e saiu na frente de outras editoras que não perceberam que o mercado literário está mudando bastante.

Gostaria muito de ler a opinião de vocês, pois acredito que só vamos conseguir mudar as coisas quando discutirmos bastante e pensarmos sobre o assunto.

Beijos,



2 comentários

  1. Então, gata, reparei nisso também. Acho que ainda há grandes ressalvas no meio literário quanto aos ebooks, tanto das editoras quanto dos leitores. É um mercado novo Brasil que está em expansão constante. Acho que algumas editoras não se aventuraram ainda por conta da estratégia de vendas. Porém, estou vendo cada vez mais introduzindo livros no formato, reduzindo valores, trabalhando em parceria com a Amazon e testando o KindleUnlimited com um ou outro título. Acho que a cautela faz parte das incertezas quanto ao retorno, mas eu acredito que ainda vai ficar equiparado com os impressos, tenho muita fé nisso. Principalmente porque o objetivo é alcançar leitores e quanto mais facilidade tiverem de acesso, melhor para todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmm! Seria o ideal que os e-books tivessem um preço menor do que os impressos! Beijooooooooooos <3

      Excluir

© AUTORA CAROL ESTRELLA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por